terça-feira, 13 de setembro de 2011






"Ele me aperta como sempre, até que algum ossinho da minha coluna estale, e me diz, como sempre também: Que é que você tem que eu sempre largo tudo e venho te ver?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário